Falar de tapetes com certeza é falar daquelas peças que dão um toque especial aos ambientes, tornando-os cheios de estilo e muito mais charmosos. Além de decorativos são funcionais, porque facilitam a colocação dos móveis e trazem uma sensação maior de aconchego. Devemos apenas tomar o cuidado de escolher o tapete certo, já que o tapete errado pode destruir a harmonia do ambiente facilmente.

A arquiteta Raquel Guarda, do COB Arquitetura e Design, explica a importância deles:

Nesse combo decoração + conforto, os tapetes também são bem úteis para fazer a proteção do piso, já que evitam riscos e desgastes; também melhoram o conforto acústico do ambiente (característica comum em elementos têxteis, pois o tecido “absorve” o som, não deixando-o reverberar pelo cômodo). Essas características devem ser levadas em conta na hora de montar um estar ou home theater, por exemplo.

MEDIDAS IDEAIS

Cada cômodo tem sua particularidade para os tamanhos e, muitas vezes, é preciso analisar caso a caso para sugerir o tamanho ideal de acordo com os móveis de cada espaço. Mas aqui iremos generalizar para tentar chegar o mais próximo do ideal. 😉

Primeiramente, é importante definir se o tapete será redondo ou retangular, o que também será definido pelos móveis. Segundo Raquel:

Para o estar, o aconselhável é um modelo que tenha no mínimo a largura do sofá e entre embaixo do móvel – mais ou menos até a metade. Assim, as duas peças parecem estar num mesmo plano, eliminando a confusão visual de piso, tapete e sofá. E em um ambiente grande, fica bem elegante usar um tapete que abrigue todos os móveis.

Certo e errado em tapetes

Já para a sala de jantar, o cálculo é o seguinte:

Na sala de jantar o ideal é que cada borda do tapete ter 1 m a mais do que a área ocupada pela mesa. Você precisa ter espaço para arrastar as cadeiras sem que elas enrosquem no tapete. Para espaços muito pequenos, o mínimo seria 70cm.

Tapete de lona sala de jantar
Tapete de lona na sala de jantar

Para os dormitórios, a maneira mais usual é colocando um tapete no sentido contrário da cama. Assim, ele ficará com um respiro nas laterais e na frente da cama também. Lembrando que isso vale para pisos, visto que em carpetes não é aconselhável utilizar tapetes.

Tapete no dormitório cobrindo as laterais e frente
Tapete no dormitório cobrindo as laterais e frente

MODELOS

A escolha do modelo não dependerá apenas do estilo de decoração, mas é importante que se leve em conta a rotina da família também. O tapete precisa ser resistente e fácil de limpar? Deve ser macio, porque tem crianças em casa? Um animal de estimação vai circular por ele? Tudo isso influenciará na decisão do material.

Para um panorama geral, os modelos mais baixos, como algodão, pele e nylon pêlo curto se enquadram melhor em ambientes mais modernos e também os mais “sérios”. Já os peludinhos caem bem em ambientes contemporâneos, por exemplo.

Outro ponto que deve ser levado em consideração para a “gramatura” dele é a circulação de pessoas. Se for grande fluxo de pessoas pisando no local e utilizando cadeiras, evite os tapetes altos.

Tapete de algodão fabricado em tear
Tapete de algodão fabricado em tear
Sala de estar com tapete felpudo
Sala de estar com tapete felpudo

COMPOSIÇÕES

Quando o ambiente é pequeno, é inevitável que os cômodos fiquem próximos. O tapete por si só já serve para delimitar os espaços, mas a dúvida que surge é: como combinar vários tapetes próximos uns aos outros?  A regra é escolher um item em comum entre eles, seja a cor (tom sobre tom também cai muito bem!), a estampa, a textura, etc. A sugestão é que não sejam usados tapetes iguais, mas com um elemento de ligação entre si.

Outra dica que vai fazer o tapete ficar ainda mais imerso na decoração é combiná-lo com as almofadas, seja na textura ou tonalidades próximas.

Sala estilo escandinavo, combinando tapete e almofadas
Sala estilo escandinavo, combinando tapete e almofadas

 

Imagens: Loja Inusual; Pinterest; Comprando Meu Apê; Casa Vogue

Escrever um Comentário